O doce remédio das urnas

domingo, 23 de outubro de 2011

Tijolaço

Daqui a pouco devem surgir os primeiros resultados das eleições argentinas, confirmando a esmagadora vitória de Cristina Kirchner. (Cristina venceu com 54% dos votos, no primeiro turno).

O favoritismo da presidenta argentina, porém, não impediu que O Globo e o Estadão, hoje, publicassem artigos que não do sexismo mais torpe ao desprezo mais ignóbil pela vontade do povo argentino.

Neles, Cristina, eleita e provavelmente reeleita, é tratada como uma ditadora obscurantista. Em O Globo, ao editorialista Luiz Paulo Horta, a chama de “caudilhesca” e vinda de “uma província obscura”. No Estadão, recorrem a um diretor do Instituto Fernando Henrique Cardoso, Sérgio Fausto, para chamarem-na de manipuladora e censora.

É, Cristina Kirchner vai eleger-se por aquilo que, outro dia, O Globo chamou de “feel good factor“, isto é, a sensação de bem-estar dos argentinos com seu governo.

Mas, sejamos justos, o machismo é componente menor nesse ódio. O que não suportam mesmo é que um governante se apóie no povo, não na mídia, tanto que usam a Globo de lá, o Clarín, como medida de democracia.

Daqui a pouco vão ter de engolir o melhor purgante da democracia: o voto.


  • Facebook
  • Twitter
Esta entrada foi publicada em Geral. Adicione o link permanente aos seus favoritos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

*

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>